20.07.09

 Espirro, sinto-me quente, dói-me imensamente o corpo, já tive vómitos mas estou com desarranjos intestinais, por assim dizer. Ando assim há alguns dias, mas não posso fazer nada porque a paranóia está instalada neste país e o mais provável será dizerem que é a Gripe A. 

Se fosse no ano passado diziam que era alguma virose ou assim, mas agora.... Compreendo perfeitamente, mas eu não estive com ninguém doente ou que tenha estado no México. Já sei que os vírus não têm fronteiras mas numa cidade onde ainda nem um caso foi confirmado, era demais ser eu a apanhar uma merda dessas. Se bem que, pensando bem, se é mau, posso bem ter apanhado....

 

Naaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

 

 

Ah, ontem fui ver o Harry Potter. É a banhada total. Cinco euros da minha vida....

publicado por Lacra às 18:41

16.07.09

Às vezes bate-me uma tristeza tão grande. Porque são os outros que me fazem da vida um inferno. E irrito-me e zango-me com quem não devo porque é tudo uma hipocrisia e sinto cada vez mais raiva dentro de mim por fazer parte deste circo.

Ainda hoje, por exemplo. Vou a conduzir, relativamente bem-disposta, um pouco cansada, mas na boa. À frente tenho uma intersecção em que tenho de ceder passagem aos que sobem e aos que descem. De frente, em contramão vem um carro. Uma louca desaustinada mete-se ao meu lado e tenta ultrapassar-me mesmo em cima do sinal. Apito e tiro a mão fora do carro para que se encoste. Aproxima-se um carro de frente. A louca da gaja cola-se a mim, passamos a intersecção, eu encosto para ela me ultrapassar. Ela ultrapassa e trava o carro a fundo depois de se ter colado ao meu lado a dizer umas poucas barbaridades. Eu apito. Ela começa a andar para a direita e esquerda e a travar, nisto faz pisca. Passei-me. Meto-me do lado direito dela e paro o carro. O meu amor passa-se e sai do carro. A gaja arranca em alta velocidade, se é que isso é possível num fiat...

Fiquei cega e fui atrás dela. Era uma toxicodependente bem conhecida da cidade. Já foi presa umas poucas vezes. Já quase incendiou a casa dos pais. Já agrediu os pais. A mãe chegou a dizer publicamente que preferia que ela morresse. É considerada um caso de saúde pública. Seduz velhos na estação e rouba-os. Anda de carro. Se parava desfazia toda. E tinha problemas. Mas partia-lhe aquele focinho todo e mais o carro. Fiquei com uns nervos que ainda estou a suar. Ela devia ter parado que eu acabava-lhe com a brincadeira. E fazia um favor aos pais. O pai dela chegou já a dizer à polícia que qualquer dia a matava à porrada e ia preso, mas matava-a. É que ela, de facto, mete nojo.

No outro dia tentaram-me roubar o rádio do carro. Acho que fui eu que me esqueci dele aberto. Mas os ladroes também deviam ser do gang da gaja. Um rádio de gaveta e não o conseguiram levar. Também não levaram nada do que estava no carro. Partiram só o apoio do carro. Drogados. Odeio-os a todos.

sinto-me:
tags:
publicado por Lacra às 14:29

Conversas do meu amigo imaginário
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
subscrever feeds
Obrigado pela visita!
blogs SAPO