20.10.09

 Ali estava eu, sentada, a ser elogiada por quem considero como um grande escritor – somente um dos escritores portugueses que mais vende num país europeu que eu não vou dizer. Senti o sangue bombear-me a cara e fiquei como que envergonhada. Teria revelado parte de mim? Ou estaria só a ser simpático? Ou irónico?

 

Assento novamente pés na terra. Surge a pergunta.

 

-       - Qual é a sua escola?

 

Hesitei. Hummm. Escola? Bem, em termos de leitura?, questionei.

 

-       Sim, quais são os seus autores de referência?

 

Ler Ler sempre foi uma das minhas maiores paixões, desde criança. Melhor, ainda nem sabia ler e já era apaixonada pelos livros, pelas letras, pelas figuras e cores das enciclopédias infantis dos meus irmãos. Agora escola? Estava baralhada e tentei lembrar-me de alguns autores que me tivessem marcado mais. Mas com a atrapalhação citei dois, completamente opostos.

 

-       - Gosto muito de ler mas aqueles que mais me marcaram foram Eça de Queiroz ou Virgílio Ferreira.

 

-       -Virgílio Ferreira? Tem a certeza que alguma vez leu Virgílio Ferreira? Gostou? Como é possível....

 

Deixei de ouvir, na minha cabeça só um zumbido gigante e um sentimento de vergonha. Eu li Virgílio Ferreira e gostei. Mas também li Eça de Queiroz e gostei muito. Assim como gostei de Saramago ou outros.

 

Ambivalente. É assim que sou e sinto. Virgílio usa as palavras de forma dura. Silêncio frio. Transmite sentimentos, provoca reflexões com o uso de palavras. É a palavra como arte.

Eça é contundente, crítico, um bom relatador de factos, personagens, momentos, realidades. Seria um bom jornalista com a sua escrita analita, digo eu.

 

Gostava de ter dito isto mas as palavras engasgaram-se e ficaram presas. Fiz mais uma vez o papel de tontinha que não sabe o que diz. Porque argumentar é mesmo só no papel. Porque as palavras chegam mais depressa às mãos do que à boca e porque verbalizar é-me tão difícil.

 

Já faz tempo que este episódio se passou mas é frequente pensar nele. Faz-me rever a minha vida e os vários momentos em que me calei por não conseguir verbalizar. E senti uma enxurrada de pensamentos atropelarem-se uns após outros e as palavras a fugir.

Hoje sou. Amanhã talvez não. É um sentimento esquizofrénico até. Ser vários eus, como o Pessoa. Pessoa é aliás aquele que, a meu ver, melhor conseguiu transpor para o papel esta multiplicidade que todos nós somos. Uns mais que os outros talvez. 

publicado por Lacra às 15:55

Passei por uma situação semelhante.
Gosto da forma como colocas esta situação por palavras.

Cláudia Oliveira a 12 de Novembro de 2009 às 16:22

India,

escrever não é só quando estamos bem, mto bem. Eu escrevo até quando estou mal. E ajuda. Gosto de ler os outros. Escreve, terás alguém para te ler. Eu. Estás linkada porque gostei do que li por aqui.
Cláudia Oliveira a 12 de Novembro de 2009 às 16:41

Conversas do meu amigo imaginário
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


arquivos
2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


pesquisar
 
Obrigado pela visita!
blogs SAPO